>>>> Leia a fotografia, leia o texto <<<<

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Ser



Com os olhos
Eu já decorei
Cada traço do seu rosto
Cada curva da sua pele
E as vezes sozinho no escuro
Escuto cada gemido seu

Se seu ser fosse só
O que aparenta
Já faria o meu entrar em ebulição.
Mas o fervor da sua mente causa
Em mim combustão

Suas palavras dançam
Tão bem
Quanto seu corpo
Na cama

E não tem maneira melhor
De se entregar
Do que
Para alguém
Que sacia
A mente e o corpo

Como num jogo
Que eu completo
Afogando meus desejos
No seu corpo
Intenso

E você me faz sonhar
Na terra,
Entre um suspiro
E outro
No meio dos seus seios

Apertando-me entre suas pernas
Enquanto morde a minha solidão
Com tanta força
Que mostra o quanto
Me dá por inteira,
Pois ser metade na vida
Jamais satisfaria você.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Erro



Não é bom sentir medo de errar
Seus pés se prendem
A um acerto gasto
Que diminui mais a cada passo

Seu peito se enche de verdade
Expirando retórica
Sobre uma teoria
Não falseada

É inevitável o erro
Assim como o acerto
Mas um acerto
Não é um ponto final

Não saiba de nada
Enquanto busca a verdade

Uma opinião
Pode se tornar obsoleta
Ao sair dos lábios

A verdade que rasga a pele
E o seu orgulho
É a mesma que vai
Afagar a sua alma.

sexta-feira, 25 de março de 2016

Dúbio.



Quem me dera
Poder visitar as lembranças
Além da insincera realidade
Que minha mente traz
Nos espelhos dos meus olhos.

Cada vez que volto
Uma parte se esvai,
E outra é criada a partir do nada.
Até que por fim,
O que resta é imaginação,
E não mais recordação.

Então, quem me dera,
Não esquecer
O cheiro
Que trazia no pescoço,
Ou cada peça de roupa
Que caia do seu corpo.

Recordar também é
Deixar morrer,
Cada pedaço verdadeiro
Que existiu.

Para suprir com um novo gosto
Um amor que nunca
Deveria ter deixado de existir.

Mas,
Quem me dera ter razão,
E não saber
Que nem sempre
Substituímos
Para deixar vivo.
E sim para aprendermos
Que é melhor viver sem.

Pois são dúbios
Os corpos e os rumos.
E não são de todo mal
As saudades
Que nós abandonamos.

Esquecer é respirar
Novas lembranças.