>>>> Leia a fotografia, leia o texto <<<<

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Carne



Transborde em mim,
Que eu quero vestir não só a sua face.

O corpo todo,
Parte por parte,
Até não sobrar medo algum
Solto no mundo e no seu torso.  

Imagine que estamos a sós no mundo.
Esqueça as paredes que nos cercam,
Enquanto se despe dos seus preconceitos,
E se veste com seus melhores desejos.

Abra as pernas ao meu redor,
Se enrole no meu pescoço
E esqueça de respirar.

Feche seus olhos,
Esqueça os nossos rostos
Enquanto segue os sons e os cheiros.

Perca-se na escuridão
E veja as estrelas que nunca alcançaremos.
Mas alçamos nossos corpos o mais próximo delas
Com o que sentimos.

O espaço entre nós tornasse ínfimo,
Quase escuto sua circulação
Quando mordo sua carne.

Sigo as batidas do seu coração,
Que aceleram,
Se entregam.
Como eu estou entregue a você
Antes mesmo de sair qualquer pedido
Dos seus lábios.

Não invente suas dores mais,
Sinta-as.
Só vale a pena gemer se for de prazer.